Todo o Rio de Janeiro

LÉSBICAS MULHERES DE IPOJUCA COM INTERESSE EM ENCONTROS CASADAS

Companhia

Dossiê Feminismos e Lesbianidades em Movimento: a visibilidade como lugar Pensamento lésbico: uma ginga epistemológica contra-hegemônica Lesbian Thinking: A Counter-Hegemonic Epistemological Ginga Pensamiento lésbico: una ginga epistemológica contra hegemónica Zuleide Paiva Silva campusxiv uneb. Aqui, a ginga, ou o gingar, se constitui numa metalinguagem dotada de recursividade e deslocamentos. Palavras-chave: lésbica, movimento de lésbicas, pensamento lésbico. Abstract: Recognizing the lesbian movement as a political body made up of people and organizations that produce lesbian identities and other counter-hegemonic sexual identities, the purpose of this study is to present theoretical threads of the political currents of the lesbian thought produced in the West, especially in the twentieth century. To this end, we assume bibliographic research as a methodological device, and the result is an open map of the thinking of lesbian activists who are precursors to the field of lesbianism in the West. Here, the ginga, or the gingar, constitutes a metalanguage endowed with recursion and displacements. Resumen: Reconociendo el movimiento lésbico como un cuerpo político constituido por personas y organizaciones productoras de identidades sexuales lesbianas y otras contrahegemónicas, el propósito de este estudio es presentar los hilos teóricos de las corrientes políticas del pensamiento lésbico producido en Occidente, especialmente en el siglo XX. Aquí, ginga, o gingar, se constituye en un metalenguaje dotado de recursividad y desplazamientos.

Mulheres de 20 69353

A internet e a assexualidade

Estou na mesma que você. Acho que isso faz de nos Bissexual. N chego a gozar, ai so c penetraçao, mas me excito demaisss c lesbicas. E se vejo uma mulher e imagino algo lesbico c ela n necessariamente eu ali ja me excito. Isso desde os 13 anos e hoje com 22 anos. N sinto desejo de realizar mas maneira de visualizar.

A descoberta

Por Nicole Gilley. Eu nunca quis ser lésbica. Durante minhas três primeiras décadas de vida, tentei de tudo para expulsar minha natureza. Eu pensava realmente que, se transasse com homens suficientes, isso faria minha heterossexualidade pegar no tranco. Quando eu tinha 23 anos e estava morando em Los Angeles, comecei a trabalhar num call center, recebendo ligações para um serviço de encaminhamento a dentistas. Foi ali que me apaixonei para valer pela primeira vez, por uma colega de trabalho.

Fudendo o cu da parceira lésbica com pau de borracha

Qual é mínimo de transa que deve acontecer por semana? E por mês? Ou acabou o amor? Onde habita? O que come? Calma aí! Assim, a gente sabe que um par é normal seja ele heterossexual, guei, lésbica, com pessoas cis ou transgênero, com duas ou mais pessoas etc. E fazer amor se refere sempre ao sexo?